Non, je ne regrette rien

Enquanto nada de novo nos acontece, pego um filminho francês e vou me familiarizando com a sonoridade da língua (não consigo entender muito mais do que je e, às vezes, a pronúncia de alguns números).

O dessa semana foi Piaf – Um Hino ao Amor. Confesso minha ignorância: já tinha escutado Non, je ne regrette rien, mas não fazia ideia de quem era a tal cantora francesa.

O filme não é nenhuma grande obra que vá entrar para a história do cinema mundial, mas cumpre bem o objetivo de homenagear uma grande artista e, principalmente, contar sobre sua vida e obra. Acontece que o filme é cheio de detalhes, tantos que a história acaba ficando meio longa além do necessário (mais de 2h de filme). Como todo grande artista, Edith Piaf teve uma infância terrível, adolescênciaconturbada e uma vida adulta cheia de dramas. A história vale a pena!

Aí fica um trecho do filme com a única música que eu conhecia.