Entrevista no Consulado da França – Parte 3 (e última!)

Hoje foi a minha vez de retornar ao Consulado da França em São Paulo para tirar (ou não) o visto de estudante para curso de francês. Se você chegou agora e não sabe do perrengue que passamos, tudo está descrito com detalhes nas partes 1 e 2.

Como a Aliki foi cobaia na terça-feira, não tive problemas. O esquema era o mesmo: checar documentos com o Rafael (um pouco simpático) e pegar o visto efetivamente com a adorável (só que não) Solange. Como de costume, minha entrevista estava marcada para às 9h15, mas só me chamaram quase uma hora depois.

Rafael olhou meus documentos bem por cima – o que não significa que devemos ignorar as recomendações e não levar todos os papéis solicitados. Logo lembrou que meu caso era igual ao da Aliki, não perguntou mais nada e me mandou para a Solange.

Ao contrário de tudo o que li em blogs sobre estudar na França e da experiência que a Aliki teve, a mulher foi a pessoa mais simpática do universo comigo! O ápice foi na hora de tirar a foto para o visto. Nunca sorrio em fotos, porque odeio. Então a Solange pediu para eu me ajeitar e mandou: “dá um sorrisinho de Monalisa pelo menos”. Continuei com a minha cara de sempre. “Poxa, nem parece que você está indo pra França! Dá um sorriso de Monalisa!” No final, até me mostrou a foto. Saí de cara amarrada, pra manter a tradição.

Ou seja, Solange pode não ser o bicho-papão do consulado. Não sei se porque era sexta-feira ou se ela estava mesmo feliz, mas fica a dica para agendar entrevista mais para o fim da semana! hahaha

Dia 28/5 é só ir buscar o passaporte no consulado! Viajamos na madrugada do dia 11 para o dia 12 de junho.

Entrevista no Consulado da França – Parte 2

Como a Gabi já havia dito no post anterior, tivemos que remarcar nossa entrevista no consulado, desta vez com um novo curso de francês pago e os comprovantes todos em mãos, para então, quem sabe, conseguirmos o visto.

Ao contrário da nossa primeira visita, o lugar estava bem cheio (não como o consulado americano, obviamente) e meio desorganizado. Desta vez tinham duas pessoas atendendo, o Rafael e a Solange, aqui vale uma rápida explicação:

Se você está planejando ir morar na França e assim como nós adora ler uns blogs e comunidades por aí, já deve ter ouvido falar da Solange. Todo mundo toca o terror, dizendo que ela é o bicho papão do consulado! Então, muita hora nessa calma! (sic). 

Voltando.

Como na minha primeira visita eu já havia falado com o Rafael e sabia que com a Solange não seria lá muito bem atendida, fui na fila dele, lógico. Primeiro problema: o visto será concedido (ee!) mas só para o dia que começa a aula. Muita gente diz por aí que eles costumam dar o visto com entrada para pelo menos uma semaninha de antecedência, para você poder entrar no país tranquilo e caso queira ir antes para se adaptar, sem problemas! Baah, errado! Se isso existia, mudou. Teremos que entrar na França como turistas mesmo, e depois nosso visto vale automaticamente. Isso não chega a ser um super problema, mas passar pelo caras da imigração nunca é exatamente legal.

Tudo pronto com o Rafael, ele me manda a para a fila de quem? Solange!! Ela é quem estava tirando as fotos e pegando as digitais, show! Quer saber? Ela é tudo isso o que falam mesmo: grossa, mal educada e tem cara de maluca. De cara implicou com o fato de eu ter um curso de 6 meses e um contrato de aluguel para 9 meses. O coitado do Rafael foi quem veio me salvar e dizer que não havia problema, que eu tentaria renovar quando chegasse lá. Depois de muuuito tempo discutindo isso ela aceitou as condições, e na hora de fazer meu cadastro é óbvio que o sistema travou (devo dizer que eu fiquei quase duas horas em pé e com o pé machucado, beijos alegria).

No final das contas deu tudo certo, finalmente tenho o visto, para 6 meses, mas tenho! Tenho que voltar para buscar o passaporte no dia 27 de maio! yey! Sexta-feira é o dia da Gabi, torçam por ela.

Ps: Não esqueçam que o visto custa R$ 123,15 e a Solange é quem cobra, então levem trocado!

Entrevista no Consulado da França – Parte 1

Como nada nesta vida é tão simples quanto parece, lá vai a nossa saga no Consulado da França em São Paulo para conseguir o visto de estudante. Eu tinha entrevista marcada para o dia 26 de abril, às 11h. Lembrando que não é possível agendar a entrevista no consulado sem antes passar pelo processo Campus France.

Fui atendida com uma hora de atraso por um rapaz meio simpático, apesar do consulado estar praticamente vazio. Tinha apenas uma pessoa na minha frente. De toda aquela papelada que eles exigem para estudantes (veja aqui), não olham nada dos originais, somente a carta de financiamento, o passaporte – é claro – e um formulário que deve ser levado já preenchido (que você encontra neste link). O restante da burocracia é toda em cópias.

O grande problema é que nem Campus France, muito menos o site do consulado, informam que para conseguir o visto de estudante de curso de francês, além do comprovante de estar inscrito em um curso de 20h semanais reconhecido pelo Ministério Francês da Educação, é necessário pagá-lo INTEGRALMENTE pelo período em que se está solicitando o visto.

Por isso, vamos ter que retornar ao consulado em outra data.

Aí pensamos: “é só pagar, ok”. Só que estávamos inscritas na Aliança Francesa de Paris, que aceitava pagamento apenas por cartão de crédito e nenhuma de nós possui um limite tão alto. Assim, mudamos de escola e agora vamos estudar na France Langue (que aceita pagamento por transferência bancária), mas eles só estão vendendo cursos até dezembro e, inicialmente, queríamos solicitar o visto até fevereiro – o que não será mais possível. A ideia é renovar quando estivermos lá.

Para trocar de curso é necessário comunicar a Campus France e enviar por e-mail uma cópia da carta de inscrição da nova instituição. Depois, é só reagendar a entrevista no consulado.

Alugando um Apartamento em Paris

Conseguir um apartamento em Paris pode não ser a tarefa mais difícil da sua vida, mas eu garanto que fácil não será!

Vamos começar com uma pequena aula de história e geografia: Paris é uma cidade muito pequena! Comparar com São Paulo seria covardia, então vou comparar com Curitiba. A capital paranaense tem (segundo a Wikipédia, nhé) 434,967 km² enquanto a capital francesa tem 105.4 km2

Sim, Paris é uma cidade linda, charmosa, com prédios baixinhos e de arquitetura deslumbrante, isso tudo é culpa do barão Haussmann, nomeado por Napoleão III como prefeito de Paris (em 1853). Haussmann fez, literalmente, uma reforma na cidade toda e foi então que ele determinou a altura dos prédios, estilo arquitetônico, etc, isso significa que praticamente todos os prédios de Paris tem 6 ou 7 andares.

Isso tudo faz de Paris uma capital pequena, apertada e com poucos apartamentos disponíveis. O mais importante é que você até consegue encontrar alguns studios bacanas, mas eles são caros, muito, muito caros.

Dito isso, vamos falar de imobiliária. Depois de muito pesquisar decidimos que as mais confiáveis, seguras e (teóricamente) fáceis de se conseguir são a Lodgis e a Paris Attitude. Como nós somos brasileiras, desconfiadas de tudo e de todos, escolhemos as que têm mais referências, sabe como é né, não podemos correr o risco de chegar lá de mala e cuia e ficar na rua.

Ambas fazem contratos curtos e longos. Para contratos acima de três meses você vai precisar de: última declaração de renda e copia do passaporte, se for estudante pode apresentar o atestado escolar e cópia do passaporte, e os documentos financeiros de um fiador (passaporte, contrato de trabalho, imposto de renda e as três últimas folhas de pagamento). Seu fiador pode ser brasileiro, mas ele precisa ter um salário de ao menos 3x o valor do aluguel.

o nosso quase contrato

Além disso tudo, você vai precisar se preparar para o atendimento, que é lento e confuso. Estávamos com o contrato assinado com a Paris Attitude, prontas para efetuar o pagamento e desistimos por causa das trapalhadas de quem estava nos atendendo. Decidimos então fechar com a Lodgis e esta semana tivemos que fazer um DDI para falar com a atendente… vou te dizer, que mulherzinha atrapalhada que não entende nada! Troquei quase 30 e-mails com ela, e ela simplesmente não entendia o que eu queria.

Finalmente depois disso tudo eles fazem o pedido ao proprietário, a imobiliária monta um “dossiê” com todas as suas informações e o cara diz se vai te aceitar ou não, agora, se ele não aceitar você precisa começar tudo novamente.

Nós estamos esperando a resposta. Boa sorte para nós e para vocês!

Agências de Intercâmbio… ou não.

É claro que chegar em uma agência de intercâmbios e comprar um pacote com passagem + translado + moradia + escola por xis reais é muito mais fácil. Você não tem preocupação nenhuma, não é mesmo?

Meu irmão está próximo de fazer um intercâmbio de 1 mês na Nova Zelândia, como minha mãe sabe que vou para a França insistiu para que eu trocasse alguns e-mails com a moça da agência, só para ver se não ficaria mais barato e cômodo para mim. Mais cômodo realmente, mais barato é que chega o problema. Não vou falar o nome da agência, isso vocês encontram em qualquer lugar, mas vou colocar aqui os preços para vocês compararem, prestem atenção nos valores em Euros e em Reais.

1 ano de curso de francês – Agência: 7,400 Euros / A nossa: 6,000 Reais

Moradia – Agência: 1,400 Euros Mensais / A nossa: 700 Euros Mensais

E então, vale mais a pena contratar um serviço pronto ou perder algumas horinhas do seu dia para dar uma pesquisada? Sem contar que o prazer de programas toda sua viagem é incrível, desta maneira, mesmo de longe você vai começando a entrar no clima do lugar.

Para quem vai para outros países eu não sei, mas se você vai para a França, a comunidade de Brasileiros na França do Orkut é bem interessante, as pessoas tiram suas dúvidas com quem já mora lá há um tempo e já passou pelas mesmas dificuldades que você encontrará. Eu acho que a Gabi já falou sobre isso, mas vale reforçar a ideia.

Rua do nosso apê durante as férias em Paris