Vovô Ferdinando Part IV

Essa novela vai longe…

No feriado da Páscoa fui até Boa Esperança, uma cidadezinha no interior de MG, onde mora a irmã do meu avô, Ivone.  Lá eu pude descobrir algumas coisas – não muitas –  mas deu para avançar.

Lá eu peguei a certidão de nascimento da Ivone, e descobrindo o cartório em que ela nasceu eu poderia ter alguma informação sobre o Ferdinando, já que a certidão do meu avô não ajudou muito. Como a vida não tem sido muito fácil pro meu lado, é ÓB VIO que não tinha nada de útil. Lá a moça me falou que eu poderia tentar ligar onde a Ivone se casou, em Mococa (São Paulo) talvez eu descobrisse algo.

Um cara com muita má vontade foi buscar a tal certidão, e lá dizia que Ferdinando tinha 64 anos quando ela casou, em 1980. Bom, pelo menos o ano de nascimento do vovô eu tinha, 1916!

Depois disso, liguei para o cartório de Boa Esperança, onde está o atestado de óbito do Ferdinando, lá descobri que ele nasceu em Silveira Martins, RS, e casou em Arroio do Só, RS. Oba! Era só ligar para essas cidades e eu descobriria alguma coisa sobre quem realmente interessa, meu trisavô. Liguei para Silveira Martins e nem sinal de Ferdinando por lá! Mas quando estive em Boa Esperança pedi para um primo de minha mãe pegar uma segunda via da certidão de óbito. Ele pegou! Chegou essa semana, e com outra data de nascimento de Ferdinando, 1914. Agora preciso ligar em Silveira Martins outra vez para tentar algo nessa nova data.

Continuem acompanhando os próximos capítulos…

Para comemorar as quase 800 visitas no blog e relembrar os bons momentos que passamos em Paris, vou deixar para vocês este rápido vídeo que fiz com algumas imagens bacanas, especialmente da Diandra! hahahaha

Vovô Ferdinando part III

Essa história de vovô Ferdinando vai chegar em “part CXII” até o final das pesquisas.

Com a certidão de casamento dos meus avós eu tinha a pista da suposta cidade em que meu avô nasceu. Entrei em contato com algumas das cidades no RS em que meu avô pudesse ter sido registrado e nada. Então em um desses lugares a moça que me atendeu no telefone pensou em uma coisa óbvia que eu não havia pensado. Para se casar meu avô precisou apresentar algum documento, como eu tinha a certidão de casamento era só achar o cartório e voilá! Dito e feito. Descobri que ele foi registrado em Faxinal do Soturno – RS.

Segunda-feira ligarei lá novamente para ver se na certidão consta alguma informação sobre o Ferdinando!

Então vamos aos documentos:

– Certidão de casamento dos meus pais: OK

– Certidão de nascimento da minha mãe: OK

– Certidão de casamentos dos meus avós: OK

– Certidão de nascimento do meu avô: OK

 

Finalmente parece que estou no caminho certo para a vida em Paris! (L)

Vovô Ferdinando part II

Para quem acha que nós somos apenas meninas ricas que querem viajar, saiba que nesse momento o dinheiro não é o que mais conta.

Esse final de semana fui para Curitiba para o aniversário da minha mãe, finalmente consegui conversar com os meus avós.

Ferdinando era pai do meu avô, como ele está MUITO doente, pouco se lembra da infância e o que lembra não consegue falar. Semana passada a irmã do meu avô ligou para saber dele e minha avó aproveitou para fazer algumas perguntas. Resultado: Vovô Ferdinando NÃO era italiano. Até aí tudo bem, já que o meu TRISAVÔ era, Angelo Trevisan. O problema é que eu preciso do documento de toda essa galera, e aí eu pergunto: Alguém sabe a cidade onde Ferdinando nasceu? Claro que não! Pelo menos eu sei em qual ele morreu, estou resando para que na certidão de óbito conste essa informação.

Na casa de minha avó consegui alguns documentos que podem me dar pistas, a cetidão de casamento dos meus avós e a de nascimento da minha mãe.

Na de casamento diz que meu avô é natural de Santos Anjos, RS. Essa cidade não existe, um erro grotesco na hora do registro vai me atrapalhar,  acedito que a cidade real seja Santo Angelo. Já entrei em contato com o único cartório que tem na cidade e amanhã eles terão os resultados da busca.

Resumindo: Meu trisavô nasceu na Itália, meu bisavô e meu avô em algun lugar no Rio Grande do Sul, meus avós se casaram em Toledo – PR, minha mãe nasceu em Corbélia – PR, meus pais se casaram em Curitiba.

Preparem as estradas porque eu vou viajar muito.

PS.: Fomos citadas na página inicial do WordPress! =D

Vovô Ferdinando

Vale lembrar que, por enquanto, o que sabemos para tirar a cidadania italiana vem de pesquisas na internet e experiências de pessoas que conhecemos, não temos acompanhamentos especializados em nada. Qualquer dia a Gabriella faz um post sobre como tirar a cidadania. Sabendo disso, vamos lá!

Eu cresci ouvindo da minha avó materna, Carmen, que seu sogro – meu bisavô – era italiano, o avô Ferdinando. Só ouvia histórias vagas, nada que falasse sobre a cidade de onde ele supostamente teria vindo. Resolvi perguntar para a minha mãe alguma coisa, mesmo sabendo que ela pouco tinha convivido com ele e a informação que recebi foi a esperada: ela não sabe de nada e cogitou até que talvez ele não fosse mesmo italiano e sim descendente.

Hoje liguei para minha avó e boa notícia! Vovô Ferdinando era MESMO italiano! Ninguém sabe de que cidade ele veio, mas ela disse que vai ligar para a irmã mais velha do meu avô e talvez esta tenha mais informações! Vamos aguardar!