Considerações sobre o curso de francês

Depois de quase três meses de curso na France Langue, acho que já me sinto em condições de fazer uma avaliação. Escolhemos esta escola por ser a mais barata com o selo FLE, e por isso uma das instituições aceitas pelo Consulado da França em São Paulo para conceder o visto de estudante. É evidente que aprendi muito neste período, já que hoje consigo me comunicar com mais facilidade e a compreensão oral também avançou bastante.

Mas como nada nesta vida é perfeito, o curso tem alguns problemas. O primeiro é a falta de organização da própria escola. Para atingirmos as 20 horas semanais exigidas para conseguir o visto, temos 3 ateliês complementares às aulas, com duração de 1h30 cada. A forma como esses ateliês são ensinados acabam tornando-os bastante inúteis. Os conteúdos simplesmente não conversam com o que aprendemos em classe e pessoas de níveis diferentes vão parar na mesma turma — imagino que outras salas estejam lotadas e elas sejam jogadas lá.

As salas são realmente pequenas para a quantidade de alunos que recebem (entre 15 e 18), isto na unidade que estudamos, Léonard de Vinci (a sede), mas existem outras três.

No geral, os professores são bons e possuem conhecimentos em várias línguas, o que facilita quando você está com alguma dúvida que não pode ser perguntada apenas em francês. Só me incomoda muito o fato de não sermos avaliados de nenhuma forma, eles seguem o conteúdo do livro Alter Ego (usado pela Aliança Francesa) e beleza. Se você ficou para trás em algum tópico, nunca vai descobrir.

Para quem quer imergir na cultura francesa, há diversos encontros e passeios antes e depois das aulas, em que além de conhecer pontos turísticos ou lugares curiosos de Paris — obviamente — só se fala francês. Um professor sempre acompanha os interessados nestes passeios.

Ah, se você busca um lugar para fugir de brasileiros, a France Langue não é o mais indicado. Nós somos a segunda nacionalidade com maior número de alunos na escola, só perdendo para os japoneses (eu diria asiáticos em geral), claro.

Aula na sala da Aliki

Festinha de recepção

 

Despedida da minha professora, que saiu de férias

Entrevista no Consulado da França – Parte 3 (e última!)

Hoje foi a minha vez de retornar ao Consulado da França em São Paulo para tirar (ou não) o visto de estudante para curso de francês. Se você chegou agora e não sabe do perrengue que passamos, tudo está descrito com detalhes nas partes 1 e 2.

Como a Aliki foi cobaia na terça-feira, não tive problemas. O esquema era o mesmo: checar documentos com o Rafael (um pouco simpático) e pegar o visto efetivamente com a adorável (só que não) Solange. Como de costume, minha entrevista estava marcada para às 9h15, mas só me chamaram quase uma hora depois.

Rafael olhou meus documentos bem por cima – o que não significa que devemos ignorar as recomendações e não levar todos os papéis solicitados. Logo lembrou que meu caso era igual ao da Aliki, não perguntou mais nada e me mandou para a Solange.

Ao contrário de tudo o que li em blogs sobre estudar na França e da experiência que a Aliki teve, a mulher foi a pessoa mais simpática do universo comigo! O ápice foi na hora de tirar a foto para o visto. Nunca sorrio em fotos, porque odeio. Então a Solange pediu para eu me ajeitar e mandou: “dá um sorrisinho de Monalisa pelo menos”. Continuei com a minha cara de sempre. “Poxa, nem parece que você está indo pra França! Dá um sorriso de Monalisa!” No final, até me mostrou a foto. Saí de cara amarrada, pra manter a tradição.

Ou seja, Solange pode não ser o bicho-papão do consulado. Não sei se porque era sexta-feira ou se ela estava mesmo feliz, mas fica a dica para agendar entrevista mais para o fim da semana! hahaha

Dia 28/5 é só ir buscar o passaporte no consulado! Viajamos na madrugada do dia 11 para o dia 12 de junho.

Entrevista no Consulado da França – Parte 1

Como nada nesta vida é tão simples quanto parece, lá vai a nossa saga no Consulado da França em São Paulo para conseguir o visto de estudante. Eu tinha entrevista marcada para o dia 26 de abril, às 11h. Lembrando que não é possível agendar a entrevista no consulado sem antes passar pelo processo Campus France.

Fui atendida com uma hora de atraso por um rapaz meio simpático, apesar do consulado estar praticamente vazio. Tinha apenas uma pessoa na minha frente. De toda aquela papelada que eles exigem para estudantes (veja aqui), não olham nada dos originais, somente a carta de financiamento, o passaporte – é claro – e um formulário que deve ser levado já preenchido (que você encontra neste link). O restante da burocracia é toda em cópias.

O grande problema é que nem Campus France, muito menos o site do consulado, informam que para conseguir o visto de estudante de curso de francês, além do comprovante de estar inscrito em um curso de 20h semanais reconhecido pelo Ministério Francês da Educação, é necessário pagá-lo INTEGRALMENTE pelo período em que se está solicitando o visto.

Por isso, vamos ter que retornar ao consulado em outra data.

Aí pensamos: “é só pagar, ok”. Só que estávamos inscritas na Aliança Francesa de Paris, que aceitava pagamento apenas por cartão de crédito e nenhuma de nós possui um limite tão alto. Assim, mudamos de escola e agora vamos estudar na France Langue (que aceita pagamento por transferência bancária), mas eles só estão vendendo cursos até dezembro e, inicialmente, queríamos solicitar o visto até fevereiro – o que não será mais possível. A ideia é renovar quando estivermos lá.

Para trocar de curso é necessário comunicar a Campus France e enviar por e-mail uma cópia da carta de inscrição da nova instituição. Depois, é só reagendar a entrevista no consulado.

Bonne Année!

Tradicionalmente os franceses só desejam feliz ano novo depois da virada, antes dá azar. Então, feliz ano novo! Ano passado passamos o Reveillon aos pés da Torre Eiffel, foi assim que tudo isso aconteceu, nos apaixonamos pela cultura, pela cidade, pelas pessoas.. ai ai

Por motivos óbvios 2012 será um ano muito importante para nós, em junho finalmente embarcamos rumo a uma vida nova em Paris! Até lá precisamos de visto, moradia e outras inúmeras coisas, esperamos relatar tudo isso por aqui.

Enquanto as novidades não chegam, coloco aqui vídeo de uma cantora francesa que me ganhou, e não vejo a hora de poder escutar isso ao vivo!

Zaz! Vale muito a pena!

Agências de Intercâmbio… ou não.

É claro que chegar em uma agência de intercâmbios e comprar um pacote com passagem + translado + moradia + escola por xis reais é muito mais fácil. Você não tem preocupação nenhuma, não é mesmo?

Meu irmão está próximo de fazer um intercâmbio de 1 mês na Nova Zelândia, como minha mãe sabe que vou para a França insistiu para que eu trocasse alguns e-mails com a moça da agência, só para ver se não ficaria mais barato e cômodo para mim. Mais cômodo realmente, mais barato é que chega o problema. Não vou falar o nome da agência, isso vocês encontram em qualquer lugar, mas vou colocar aqui os preços para vocês compararem, prestem atenção nos valores em Euros e em Reais.

1 ano de curso de francês – Agência: 7,400 Euros / A nossa: 6,000 Reais

Moradia – Agência: 1,400 Euros Mensais / A nossa: 700 Euros Mensais

E então, vale mais a pena contratar um serviço pronto ou perder algumas horinhas do seu dia para dar uma pesquisada? Sem contar que o prazer de programas toda sua viagem é incrível, desta maneira, mesmo de longe você vai começando a entrar no clima do lugar.

Para quem vai para outros países eu não sei, mas se você vai para a França, a comunidade de Brasileiros na França do Orkut é bem interessante, as pessoas tiram suas dúvidas com quem já mora lá há um tempo e já passou pelas mesmas dificuldades que você encontrará. Eu acho que a Gabi já falou sobre isso, mas vale reforçar a ideia.

Rua do nosso apê durante as férias em Paris

Primeiros passos

Estamos bem ausentes do blog, mas a vida não está fácil para ninguém. Apesar disso, não poderíamos deixar de registrar o primeiro grande passo para os estudos na França, que será dado ainda nesta semana.

Vamos, finalmente, nos inscrever no curso de francês (antes era cedo demais, diziam as escolas), na Aliança Francesa. Depois, é só começar a preencher a papelada da Campus France e torcer pra dar tudo certo com o visto.

O curso está programado 18 de junho de 2012, mas o consulado costuma deixar a validade do visto começando pelo menos com uma semana de antecedência – vai um pouco da sorte, já vi gente falando que chegou na França um ou dois dias antes do curso.

Como na Aliança os valores são absurdos, depois vamos trocar pela Campus Langues, uma das escolas mais baratas que encontramos em Paris.

Dica

Para quem procura informações práticas sobre a vida na França, recomendo a comunidade Brasileiros na França, do Orkut (é, ele ainda existe). Os membros são bem atenciosos e costumam tirar dúvidas sobre diversos assuntos.

Diferenças entre testes de proficiência em francês

Para fazer uma pós-graduação na França é preciso comprovar seu nível de conhecimento de francês. Para isso, é necessário apresentar um dos exames oficiais de proficiência: Delf, Dalf, TCF ou TEF.

Mas qual a diferença entre eles?

Segundo a Campus France, “o DELF e o DALF distinguem-se do TCF e do TEF por serem diplomas de língua francesa, ao passo que os outros dois são atestados de língua francesa. O exame para a obtenção do DELF é destinado aos estudantes de nível intermediário de francês, enquanto o DALF é somente para os estudantes de nível avançado. Além disso, uma outra diferença importante refere-se ao prazo de validade. Os diplomas não têm prazo de validade, enquanto os atestados têm validade de 2 anos (TCF) e 1 ano (TEF)“.

Ou seja, eu aconselho a quem pretende prestar esses exames a fazer o Dalf, que é mais completo e vale pra vida toda. Na França, os exames serão aplicados em maio, julho e novembro neste ano.

Finalmente, um rumo!

Depois de mudar de ideia 15364758 vezes, eu e Aliki conseguimos, finalmente, decidir o que vamos fazer. Vamos para Paris em junho, estudar na France Langue durante um ano. Depois disso ainda não temos certeza do que vai acontecer, mas não é o momento para esse tipo de preocupação.

Conseguimos escolher o rumo de nossos estudos depois de ir ao Ifesp ontem, conversar com a coordenadora Alexandrine. Por um momento, havíamos cogitado ir para a França somente em setembro, direto para a pós-graduação.

As meninas já explicaram o que é o Ifesp no post “Um Visto, Duas Olheiras e uns Sorrisos“. Chegamos lá achando que a moça iria iluminar a nossa vida, mas não foi nada disso. Ela simplesmente traduz o que está escrito em sites como Campus France ou o da universidade que você pretende cursar.

Depois disso, te passa para uma secretária para, a todo custo, te vender um curso de francês. No fundo, esse é o lance deles. Lógico que ela deve ajudar na hora de montar o dossiê de candidatura (necessário para entrar nas universidades francesas), mas a partir do momento que você está fluente na língua, já não há a menor necessidade.

Fora que o curso é uma fortuna, mais caro que na Aliança Francesa, por exemplo. E já que é pra gastar dinheiro, que seja em Paris!

Dica


Para aproveitar o fim de semana já pegando familiaridade com a língua, sugiro a Oui FM.

Quando estivemos em Paris no fim do ano só ouvíamos essa rádio, que toca rock francês (pode soar estranho, mas não toca só isso…hahaha). Au revoir!

Plano B

Se tudo der errado, como já começou a dar, vamos para a França com visto de estudante, fazer francês. Primeiro íamos pela Aliança Francesa de Paris, mas era 700 euros por mês, um valor inviável para nós.

Ontem, depois do desespero que passamos com a história da cidadania, encontramos a France Langue (reconhecida pelo Ministério da Educação francês, ou seja, super digna), que tem um curso de um ano por 5200 euros, muito mais cabível ao nosso orçamento.

Quando estivermos fluentes, vamos preparar nosso dossiê para nos candidatarmos em alguma universidade. Eu queria fazer mestrado em História da Arte, mas encontrei outras possibilidades de curso bem interessantes. Para quem pensa em estudar na França, recomendo dar uma olhada no Campus France, órgão do governo que faz o intermédio entre estrangeiros e as universidades – lá também tem uma lista com os cursos de francês reconhecidos.

Por enquanto, é isso, mas pode ser que amanhã tudo mude!