Sim, nós temos visto!

Yes we can!

Visto em mãos, mala quase pronta, ansiedade de sobra e um medo: entrar na Europa.

Como nós já explicamos nos posts anteriores, tivemos que mudar de curso, logo, o início das aulas, que antes era em 18 de junho, passou para 2 de julho. Como nossa passagem foi comprada no séc 30 a.C, embarcamos no dia 12 de junho (tá acompanhando?). Ah tudo bem, Aliki, enquanto isso você entra na Europa como turista mesmo e aproveita esse tempo livre para passear. Claro, tudo seria lindo se a nossa entrada não fosse pela Espanha.

Se você não sabe o que está acontecendo com os nossos hermanos do lado de lá do oceano, dá uma passeada por uns sites de notícia, mas para simplificar eles adotaram umas medidas escrotas contra imigrantes, estão barrado em média 8 brasileiros por dia. Em 2011 foram 1400 barrados no total. Agora o Brasil adotou a lei da reciprocidade e está barrando espanhóis também , lindo não? NÃO!

O que conta a nosso favor é que temos o visto francês que começa a valer dali uns dias, além disso fizemos o seguro saúde que eles exigem para turistas, então eles não motivos reais para nos barrar, mas vai saber se o cara vai acordar de bom humor bem nesse dia.

 

As Mulheres do 6º Andar

No post anterior eu falei sobre a divisão dos apartamentos em Paris, e é justamente este o assunto retratado no filme ‘As Mulheres do 6º Andar’.

Em Paris a divisão dos apartamentos acontece da seguinte maneira: no térreo os apartamentos são pequenos, normalmente com 15 ou 20 metros quadrados, onde antigamente moravam os zeladores dos prédios (onde nós vamos morar). Nos andares do meio moravam os monsieur. O primeiro andar é maior, mas não muito valorizado por sere próximo da rua. Os melhores andares são segundo e terceiro, mais alto do que isso as escadas para subir são muitas e a valorização do imóvel também cai. O último andar, geralmente o 6º é onde moravam as empregadas domésticas. No sexto andar,normalmente, os quartos tem 9 metros quadrados e o banheiro é coletivo, além disso, o telhado os prédios é reclinado, o que faz com que os quartos sejam extremamente apertados e com o teto fazendo uma diagonal no meio do quarto.

Atualmente a única coisa que mudou foi a decoração e os moradores, nas nossas buscar por apartamentos encontramos MUITOS apartamentos assim, e um detalhe é que a maioria não tem vaso sanitário, tem um lance com um buraco no chão, e você que cague em pé! Por isso os apartamentos mais baratos que você vai encontrar são esses minúsculos!

‘As Mulheres do 6º Andar’ se passa em Paris na década de 60 e conta a história de um casal super conservador que assume a casa depois da morte da mãe e dão um jeito de se livrar da velha empregada que trabalhava lá há anos. Quando eles contratam uma espanhola recém chegada a vida deles muda completamente. Na verdade é uma comedinha romântica abarrotada de clichês, com situações fantasiosas e bobas, mas ainda assim bonitinho. E se você quer saber como são as moradias francesas, é perfeito.

 

 

Entrevista Campus France

Para estudar na França, todos precisam passar pelo processo do Campus France, uma espécie de órgão do governo francês. No site você encontra um guia que ensina como preencher os formulários na internet e dar continuidade ao processo. É só passando pelo Campus France que você pode, então, ir até o consulado francês pedir o visto de estudante (isso vale para todos, de curso de francês a doutorado).

Depois de preencher os formulários, enviar a documentação pedida e pagar a módica (só que não) taxa de R$ 335, você estará apto a passar por uma entrevista (agendada por e-mail), em que o entrevistador definirá se você pode ou não ir para o consulado. Como estou planejando minha estadia em Paris há um ano, já havia lido em diversos blogs e comunidades que essa entrevista era apenas uma burocracia imbecil para ganhar dinheiro fácil. E é.

Minha entrevista foi agendada por eles na unidade da Aliança Francesa na República. Estive lá ontem, para ser entrevistada pela simpática Lúcia Claro. Eu não estava nervosa, porque sabia que era um procedimento de praxe, mas a entrevistadora tentou me deixar bastante à vontade.

Papel que comprova a conclusão do processo Campus France e deve ser apresentado no consulado francês

Depois de anotar meus dados, ela começou a seguir um roteiro de perguntas, mais ou menos assim:

– Fala inglês?

– O que vai fazer na França? Duração do curso?

– Descreva seu percurso acadêmico desde o ensino médio

– Trabalha na área de formação?

– Por que estudar francês na França e não no Brasil?

– No que essa experiência vai contribuir para sua vida profissional?

– O que pretende fazer quando voltar para o Brasil?

– É independente? Não terá problemas para viver sozinho em um país estrangeiro?

 

A conversa toda durou por volta de 30 minutos. O interessante é sempre deixar bem claro que você pretende mesmo voltar para Brasil, não importa se essa não é sua intenção. Ter um projeto de estudos bem definido também é bacana. Eu, como sei bem o que quero fazer lá (francês e depois mestrado em História da Arte), passei bastante segurança em minhas respostas e fui ganhando a aprovação da entrevistadora, que pareceu bem satisfeita com meu projeto de estudos.

Ao final, ela assina um papel que é preciso mostrar no consulado, provando que você concluiu o processo Campus France. Agora é só esperar a entrevista no consulado francês, em 26 de abril. Como meus pais não vão me bancar, estou um pouco apreensiva quanto a grana, mas acho que vai dar tudo certo.

Sobre o apartamento, até agora não conseguimos alugar. As imobiliárias são bastante enroladas e um dos proprietários, que ficava com o apartamento vago em abril, não quis nos aceitar apenas em junho.

Para acessar os guias Campus France, clique aqui

Bonne Année!

Tradicionalmente os franceses só desejam feliz ano novo depois da virada, antes dá azar. Então, feliz ano novo! Ano passado passamos o Reveillon aos pés da Torre Eiffel, foi assim que tudo isso aconteceu, nos apaixonamos pela cultura, pela cidade, pelas pessoas.. ai ai

Por motivos óbvios 2012 será um ano muito importante para nós, em junho finalmente embarcamos rumo a uma vida nova em Paris! Até lá precisamos de visto, moradia e outras inúmeras coisas, esperamos relatar tudo isso por aqui.

Enquanto as novidades não chegam, coloco aqui vídeo de uma cantora francesa que me ganhou, e não vejo a hora de poder escutar isso ao vivo!

Zaz! Vale muito a pena!

Agências de Intercâmbio… ou não.

É claro que chegar em uma agência de intercâmbios e comprar um pacote com passagem + translado + moradia + escola por xis reais é muito mais fácil. Você não tem preocupação nenhuma, não é mesmo?

Meu irmão está próximo de fazer um intercâmbio de 1 mês na Nova Zelândia, como minha mãe sabe que vou para a França insistiu para que eu trocasse alguns e-mails com a moça da agência, só para ver se não ficaria mais barato e cômodo para mim. Mais cômodo realmente, mais barato é que chega o problema. Não vou falar o nome da agência, isso vocês encontram em qualquer lugar, mas vou colocar aqui os preços para vocês compararem, prestem atenção nos valores em Euros e em Reais.

1 ano de curso de francês – Agência: 7,400 Euros / A nossa: 6,000 Reais

Moradia – Agência: 1,400 Euros Mensais / A nossa: 700 Euros Mensais

E então, vale mais a pena contratar um serviço pronto ou perder algumas horinhas do seu dia para dar uma pesquisada? Sem contar que o prazer de programas toda sua viagem é incrível, desta maneira, mesmo de longe você vai começando a entrar no clima do lugar.

Para quem vai para outros países eu não sei, mas se você vai para a França, a comunidade de Brasileiros na França do Orkut é bem interessante, as pessoas tiram suas dúvidas com quem já mora lá há um tempo e já passou pelas mesmas dificuldades que você encontrará. Eu acho que a Gabi já falou sobre isso, mas vale reforçar a ideia.

Rua do nosso apê durante as férias em Paris

Salão de Pós-Graduação na Europa

A maioria das pessoas que pensam em estudar fora não sabem nem por onde começar: o que estudar? onde estudar? em qual instituição? As dúvidas são inúmeras e se você não é um maníaco de internet tipo a Gabriella, provavelmente não vai descobrir tudo isso sozinho.

A dica é Euro-Pós, que nada mais é do que um salão europeu de pós graduação! Lá você pode entrar em contato e conhecer um pouco as mais de 100 universidades que participam do evento. Tem para diversas áreas de estudos e diversos países.

No site você tem um monte de informação bacana.

O evento acontece gratuitamente nos dias 19 e 20 de novembro de 2011, das 14h às 19h no Palácio das Convenções do Anhembi (Avenida Olavo Fontoura, 1209)

Ah, tem que fazer a inscrição no site. A minha já está feita!

Biblioteca da Sorbonne

O Famoso Cassoulet

Para quem nunca teve blog, é possível saber quantas pessoas o acessam diariamente e como vieram parar aqui. Por exemplo, muitas pessoas (muitas mesmo) chegam ao Oxford Furado buscando “Cassoulet” no Google. O que na verdade é uma balela, porque a palavra foi apenas citada uma única vez e não dava nenhuma informação útil.

Para acabar com a decepção dos que entram aqui buscando uma receita deliciosa, eu resolvi fazer um post inteiro para este prato típico francês!

Se você acredita que a feijoada é um super prato típico brasileiro, você está enganado. A nossa feijoada nada mais é do que uma adaptação do Cassoulet. Originalmente o prato é feito com feijão branco, confit de pato, de ganso e mais um monte de outras coisas que são complicadas de se encontrar na terrinha. Na França você pode encontrar até Cassoulet em lata. Sei lá se é bom, ano que vem eu provo e conto pra vocês.

Como eu não sou uma ótima cozinheira e nunca nem tentei ir além do meu feijãozinho da semana, encontrei um vídeo do falecido programa “Menu Confiança” da GNT. O chef francês Claude Troisgros ensina a receita e de quebra você fica sabendo qual o melhor vinho para acompanhar a refeição.

Espero que tenha sido útil. Quem sabe qualquer dia eu me aventura com essa receita também. NOT.

Non, je ne regrette rien

Enquanto nada de novo nos acontece, pego um filminho francês e vou me familiarizando com a sonoridade da língua (não consigo entender muito mais do que je e, às vezes, a pronúncia de alguns números).

O dessa semana foi Piaf – Um Hino ao Amor. Confesso minha ignorância: já tinha escutado Non, je ne regrette rien, mas não fazia ideia de quem era a tal cantora francesa.

O filme não é nenhuma grande obra que vá entrar para a história do cinema mundial, mas cumpre bem o objetivo de homenagear uma grande artista e, principalmente, contar sobre sua vida e obra. Acontece que o filme é cheio de detalhes, tantos que a história acaba ficando meio longa além do necessário (mais de 2h de filme). Como todo grande artista, Edith Piaf teve uma infância terrível, adolescênciaconturbada e uma vida adulta cheia de dramas. A história vale a pena!

Aí fica um trecho do filme com a única música que eu conhecia.

Roteiro de Cinema na Europa

Esses dias a Gabi ganhou um pequeno guia de viagens um pouco diferente do que estamos acostumados. Se chama “Europa de Cinema: Roteiros e dicas de viagem inspirados em grandes filmes”, de Vicente Frare, Pulp Edições.

Se você, assim como eu, gosta muito de cinema vale a pena! Na real eu não sou uma grande expert em cinema Europeu (vergonha! deveria ser.) Então vou falar aqui de dois que vocês provavelmente já viram e depois vocês comprar o guia! (Olha eu fazendo propaganda pro cara!)

 

Como não começar com o clássico pseudo-cult francês da última década?

O Fabuloso Destino de Amelie Poulain (2001) é uma comédinha romântica bem diferente do que estamos acostumados a ver aqui no Brasil. O filme é fofo do começo ao fim.

Amelie mora e trabalha como garçonete em Montmartre. O bairro vale mais do que uma visita, mas prepare as perna para as escadas! Enfim, o café em que Amelie trabalha é o Café des Deux Moulins, que fica na 15, rue Lepic. É muito perto do Moulin Rouge, então você aproveita e já mata dois filmes de uma vez. Nós não entramos no café porque estava realmente muito cheio, ir em época de férias tem esses problemas.

Paris é uma cidade cheia de feiras, a do filme é a da Rue Mouffetard. É lá que Amelie escuta a conversa do senhor Brotodeau sobre o reencontro com sua caixa de brinquedos.

 

Closer – Perto Demais (2004) é um dos meus filmes preferidos. Fala de relacionamentos, mais especificamente sobre traições e não se preocupa em ser bonitinho ou ter final feliz apesar de todas as merdas, sabe?

Logo no começo do filme Dan e Alice saem do hospital, entram no Postman’s Park e conversam sobre sobre as pessoas que foram enterradas ali. Fica próximo a St. Paul’s Cathedral (e eu não acredito que não fui até lá, passei tantas vezes nessa igreja!) e ao Museum Of London. 150 London Wall.

Dan sabe que Anna fotografa strangers no London Aquarium, assim marcar um encontro erótico entre ela e Larry. O Sea Life London Aquarium fica na Westminster Bridge Road.

Roupas de frio para a Europa

Está fazendo um pequeno frio em São Paulo e isso me fez lembrar de uma coisa bem importante para quem pretende ir para a Europa nos meses de outono e inverno (quando aqui no Brasil é primavera e verão): O frio!

Em Paris não faz taaaanto frio como sei lá, na Rússia. Mas se você, assim como nós, é um brasileiro acostumado com altas temperaturas e nunca viajou para um lugar frio assim, é bom se preparar. he he

Jardim de Toulerie

Vamos começar pela parte de baixo.Eu tenho uma tia que costumava ir muito para o Chile e ficava em temperaturas absurdamente baixas, então ela tem algumas roupas bem específicas. Peguei uns três pares de meias usadas para escalar montanhas com neve, então vocês podem imaginar o quão quentinhas elas eram. Tem algumas lojas que vendem esse tipo de roupa, mas elas costumam ser muito caras. Se você não tem essa grana ou não quer comprar essas roupas por que nunca mais vai usar na vida, vale comprar umas meias de homem, que são geralmente mais grossas, e usar 2 pares juntos.

Se estiver nevando efetivamente ou chovendo você não pode correr o risco de molhar seu pé, isso seria terrível! Para esses dias é melhor usar uma bota. E já te adianto que não vale comprar uma bota na 25 de março, ela vai molhar da mesma forma! A bota tem ser de couro e com solado antiderrapante (isso mesmo, a neve escorrega!).

Para usar debaixo da calça, tínhamos ciroulas. Isso mesmo, as ciroulas masculinas! Elas são quentinhas e confortáveis, e ninguém está vendo mesmo! hahaha.

Agora, a parte de cima é a mais complicada. Como TODO MUNDO diz, a Europa toda tem uma grande qualidade nos sistemas de aquecimento dos ambientes, então se você colocar aquele monte de roupas de frio, quando entrar em um restaurante ou loja vai ficar com calor. O que os nativos fazem é usar uma roupa leve por baixo e colocar um puta casacão que os protege do frio. O problema é que aqui no Brasil não existem roupas com essa qualidade e se você se arriscar eu garanto que vai passar frio. Eu preferia passar calor dentro das lojas do que passar frio na rua. Vai do seu gosto. Então TODAS as roupas de frio que você tiver são bem vindas!

Ah, se o seu problema não é dinheiro, venha com a mala meio vazia e separe os primeiros dias das suas férias para comprar roupas por lá mesmo. Aí você terá garantia de roupas ótimas para o frio!

Galera tentando conseguir um calor humano para espantar o frio na Torre Eiffel.