As Mulheres do 6º Andar

No post anterior eu falei sobre a divisão dos apartamentos em Paris, e é justamente este o assunto retratado no filme ‘As Mulheres do 6º Andar’.

Em Paris a divisão dos apartamentos acontece da seguinte maneira: no térreo os apartamentos são pequenos, normalmente com 15 ou 20 metros quadrados, onde antigamente moravam os zeladores dos prédios (onde nós vamos morar). Nos andares do meio moravam os monsieur. O primeiro andar é maior, mas não muito valorizado por sere próximo da rua. Os melhores andares são segundo e terceiro, mais alto do que isso as escadas para subir são muitas e a valorização do imóvel também cai. O último andar, geralmente o 6º é onde moravam as empregadas domésticas. No sexto andar,normalmente, os quartos tem 9 metros quadrados e o banheiro é coletivo, além disso, o telhado os prédios é reclinado, o que faz com que os quartos sejam extremamente apertados e com o teto fazendo uma diagonal no meio do quarto.

Atualmente a única coisa que mudou foi a decoração e os moradores, nas nossas buscar por apartamentos encontramos MUITOS apartamentos assim, e um detalhe é que a maioria não tem vaso sanitário, tem um lance com um buraco no chão, e você que cague em pé! Por isso os apartamentos mais baratos que você vai encontrar são esses minúsculos!

‘As Mulheres do 6º Andar’ se passa em Paris na década de 60 e conta a história de um casal super conservador que assume a casa depois da morte da mãe e dão um jeito de se livrar da velha empregada que trabalhava lá há anos. Quando eles contratam uma espanhola recém chegada a vida deles muda completamente. Na verdade é uma comedinha romântica abarrotada de clichês, com situações fantasiosas e bobas, mas ainda assim bonitinho. E se você quer saber como são as moradias francesas, é perfeito.

 

 

Alugando um Apartamento em Paris – Part II

Esse post deveria se chamar “Alugando um Apartamento em Paris – A Saga”.

Eu já havia falado no post Alugando um Apartamento em Paris sobre as imobiliárias e a documentação necessária para alugar um apartamento através delas. Mais uma vez eu faço questão de ressaltar: as imobiliárias são enroladas, o atendimento é ruim e eles não fazem nada para colaborar, além disso, a opinião do proprietário conta muito! Não adianta estar tudo certo com a imobiliária, pois eles entregam um dossiê com suas informações e o cara diz se aceita ou não (isso aconteceu algumas vezes, por diversos motivos tivemos que começar do zero algumas vezes).

Maaas, finalmente conseguimos! Efetuamos hoje o pagamento da taxa imobiliária necessária para fazer a reserva e pronto, agora temos, finalmente, um teto! Alugamos pela Paris Attitude.

Rua de casa no Street View

O apartamento é um minúsculo studio de 17m2. Explico: na época do barão Haussmann os prédios tinham uma divisão praticamente obrigatória. No térreo ficavam os apartamentos pequenos, apertados e de menor valor, normalmente onde morava o zelador. Os andares do meio eram mais valorizados, pé direito alto, grande e espaçoso, onde ficavam os endinheirados. O último andar era o pior de todos, pequeno, com o teto super rebaixado e há 6 ou 7 andares de escadas do chão, normalmente onde moravam as empregadas que trabalhavam nos andares do meio. Isso quer dizer que, se você não é rico, pode se preparar para morar em lugares pequenos no térreo ou no último andar.

Tudo começando a tomar forma… em breve estaremos lá! =D

Entrevista Campus France

Para estudar na França, todos precisam passar pelo processo do Campus France, uma espécie de órgão do governo francês. No site você encontra um guia que ensina como preencher os formulários na internet e dar continuidade ao processo. É só passando pelo Campus France que você pode, então, ir até o consulado francês pedir o visto de estudante (isso vale para todos, de curso de francês a doutorado).

Depois de preencher os formulários, enviar a documentação pedida e pagar a módica (só que não) taxa de R$ 335, você estará apto a passar por uma entrevista (agendada por e-mail), em que o entrevistador definirá se você pode ou não ir para o consulado. Como estou planejando minha estadia em Paris há um ano, já havia lido em diversos blogs e comunidades que essa entrevista era apenas uma burocracia imbecil para ganhar dinheiro fácil. E é.

Minha entrevista foi agendada por eles na unidade da Aliança Francesa na República. Estive lá ontem, para ser entrevistada pela simpática Lúcia Claro. Eu não estava nervosa, porque sabia que era um procedimento de praxe, mas a entrevistadora tentou me deixar bastante à vontade.

Papel que comprova a conclusão do processo Campus France e deve ser apresentado no consulado francês

Depois de anotar meus dados, ela começou a seguir um roteiro de perguntas, mais ou menos assim:

– Fala inglês?

– O que vai fazer na França? Duração do curso?

– Descreva seu percurso acadêmico desde o ensino médio

– Trabalha na área de formação?

– Por que estudar francês na França e não no Brasil?

– No que essa experiência vai contribuir para sua vida profissional?

– O que pretende fazer quando voltar para o Brasil?

– É independente? Não terá problemas para viver sozinho em um país estrangeiro?

 

A conversa toda durou por volta de 30 minutos. O interessante é sempre deixar bem claro que você pretende mesmo voltar para Brasil, não importa se essa não é sua intenção. Ter um projeto de estudos bem definido também é bacana. Eu, como sei bem o que quero fazer lá (francês e depois mestrado em História da Arte), passei bastante segurança em minhas respostas e fui ganhando a aprovação da entrevistadora, que pareceu bem satisfeita com meu projeto de estudos.

Ao final, ela assina um papel que é preciso mostrar no consulado, provando que você concluiu o processo Campus France. Agora é só esperar a entrevista no consulado francês, em 26 de abril. Como meus pais não vão me bancar, estou um pouco apreensiva quanto a grana, mas acho que vai dar tudo certo.

Sobre o apartamento, até agora não conseguimos alugar. As imobiliárias são bastante enroladas e um dos proprietários, que ficava com o apartamento vago em abril, não quis nos aceitar apenas em junho.

Para acessar os guias Campus France, clique aqui